Rural

RS será mundialmente reconhecido como zona livre de febre aftosa

Foto: Giovani Grizotti / Repórter Farroupilha

O Rio Grande do Sul será reconhecido internacionalmente como um Estado livre de febre aftosa sem vacinação pela Organização Mundial da Saúde Animal (OIE). A boa notícia foi dada pela ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, em reunião virtual nesta quarta-feira (10/3) com o secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Covatti Filho.

A homologação, por parte da OIE na assembleia geral, deve ser realizada em maio, na França. Acre, Rondônia, Paraná e parte do Amazonas e do Mato Grosso também obtiveram o reconhecimento.

A retirada da vacinação evidencia, em âmbito mundial, que o Estado tem defesa sanitária confiável e permitirá acesso ao mercado de carnes chamado circuito “não aftósico”, onde se estima poder exportar cerca de US$ 1,2 bilhão anuais adicionalmente. Atualmente, a carne gaúcha não acessa 70% dos mercados potenciais. Outra vantagem da condição é o preço pago ao produtor, que tende a aumentar entre 25% e 30% a partir da evolução de status sanitário.

“Em nome do Rio Grande do Sul, agradeço ao ministério pela condução desse pleito. Essa conquista é fundamental e esperamos, entre exportação e acesso a mercados, movimentar mais de US$ 1 bilhão por meio desse certificado. Vale salientar que estamos fazendo investimentos desde 2019 de mais de R$ 10 milhões para prestar melhores serviços aos produtores do Rio Grande do Sul, a fim de alcançarmos esse reconhecimento”, afirmou o secretário Covatti.

Em agosto do ano passado, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) já havia formalizado o Rio Grande do Sul como zona livre da febre aftosa sem necessidade de vacinação. O reconhecimento permite que em torno de 12,5 milhões de cabeças, entre bovinos e bubalinos, deixem de ser vacinadas no Estado. O reconhecimento nacional pelo Mapa é um dos passos para alcançar o reconhecimento internacional na OIE.

Também deixa de ser necessária a aplicação de 20 milhões de doses anuais de vacina, uma vez que a imunização ocorria em duas etapas: rebanho geral e para animais com até 24 meses.

Para realizar a transição de status sanitário, os Estados e as regiões atenderam a requisitos básicos, como aprimoramento dos serviços veterinários oficiais e implantação de programa estruturado para manter a condição de livre da doença, entre outros, alinhados com as diretrizes do Código Terrestre da OIE.

O processo de transição de zonas livres de febre aftosa com vacinação para livre sem vacinação está previsto no Plano Estratégico do Programa Nacional de Vigilância para a Febre Aftosa (Pnefa), conforme estabelecido pelo Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária (Suasa).

Fonte: Governo do RS 

About Blog Missioneiro

0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.