Politica

Menem, o ex-presidente que colocou uma marca neoliberal na Argentina

 Político morreu aos 90 anos neste domingo

Menem, o ex-presidente que colocou uma marca neoliberal na Argentina 

O carismático Carlos Menem, que morreu neste domingo (14) em Buenos Aires aos 90 anos, governou a Argentina por 10 anos na década de 1990 como um líder de ideologia liberal, em contraste com o perfil de seus últimos anos como senador.

Em 13 de junho de 2020, no meio da quarentena do coronavírus, ele foi hospitalizado em Buenos Aires por pneumonia complicada com histórico cardíaco. A partir de então, suas internações foram se tornando cada vez mais frequentes, por diversas enfermidades.

Nascido em 2 de julho de 1930 em uma família de imigrantes sírios, Menem se orgulhava de nunca ter perdido uma eleição. Presidente entre 1989 e 1999, 'El Turco' amava luxo, mulheres, esportes, dirigir carros Ferrari, relógios e vinho espumante.

Sua ideologia privatizante e liberal fez dele o queridinho do Fundo Monetário Internacional, dos investidores de Wall Street, dos republicanos dos EUA e do fórum de negócios de Davos. Menem concorreu à presidência novamente em 2003 e venceu o primeiro turno eleitoral com 24% dos votos, contra 22% do peronista Néstor Kirchner.

No entanto, ele se recusou a participar da eleição por temer uma avalanche de votos para seu rival. Formado em direito, Menem foi governador de sua província natal, La Rioja, em duas ocasiões, a primeira em 1973, embora tenha sido destituído do cargo quando ocorreu o golpe de 1976 e foi detido por dois anos.

Cicatrizes políticas

Menem promoveu a reforma da Constituição em 1994, que introduziu a reeleição presidencial imediata, além de abolir a obrigatoriedade de professar a religião católica para quem exerce a liderança do Estado. Privatizou a maioria das empresas públicas e estabeleceu uma taxa de câmbio em paridade com o dólar, esquema que gerou abundância repentina, mas que explodiu em 2001, gerando a pior crise econômica da história do país.

Também perdoou os maiores responsáveis pela última ditadura (1976-1983) que haviam sido processados e membros de organizações guerrilheiras. Ele esteve em prisão domiciliar preventiva em 2001 por um julgamento por contrabando de armas para a Croácia e Equador. Foi libertado semanas depois por decisão da Suprema Corte de Justiça e posteriormente absolvido por excesso de tempo em um caso que durou 25 anos.

A venda ilegal de armas ao Equador ocorreu apesar de a Argentina ter sido a garantidora da paz no confronto de 1995 entre Lima e Quito. Os foros evitaram a prisão nos julgamentos contra ele, incluindo um por encobrir o ataque contra a judaica AMIA em 1994, que causou 85 mortes.

Em 2019, recebeu nova sentença de três anos por peculato, sem cumprir a pena pela imunidade como senador. Foi o único presidente latino-americano a aderir à aliança ocidental para participar da Guerra do Golfo (1990-91), com o despacho de dois navios. "Temos relações carnais com os Estados Unidos", justificou então.

Fonte: Correio do Povo 

About Blog Missioneiro

0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.