Politica

Leite quer aumentar o imposto do gás de cozinha, bebidas e alimentos

Foto: Felipe Dalla Valle/ Palácio Piratini
Na sua proposta de reforma tributária o governador Eduardo Leite pretende aumentar o ICMS sobre o gás de cozinha, por exemplo, em 5%, já a partir de janeiro de 2021, onerando ainda mais a população. Também está previsto o aumento do ICMS nos bebidas, vinho, cachaça e em diversos alimentos, como pão francês, frutas e massas.

Todos esses aumentos vão atingir principalmente a camada de mais baixa renda da população. As propostas da reforma tributária devem ser votadas na próxima quarta-feira na Assembleia Legislativa do Estado.

Veja as alterações propostas por Leite:

– o gás de cozinha passa de uma alíquota de 12% para 17% já em 2021;

– serão extintas isenções dos hortifrutigranjeiros, leites pasteurizados (tipos A, B e C), ovos, maçã e peras e pão francês (e massa congelada para seu preparo), flores naturais e preservativos, que passam a ser taxados em 2021 com alíquota de 7%, 2022 com alíquota de 12% chegando a 2023 com a alíquota de 17%;

– haverá aumento da carga tributária, com a extinção da redução da base de cálculo, a cesta básica de alimentos, a cesta básica de medicamentos, erva mate e carne e demais produtos comestíveis de aves e suínos simplesmente temperados. Estes produtos passam de uma alíquota efetiva atual de 7% para 12% em 2021 e de 17% a partir de 2022;

– aumento da alíquota do vinho e da cachaça, da alíquota básica (em 2021 de 17%) para 25%. No caso do vinho será aplicado benefício fiscal para a indústria local (igual ao benefício concedido por SC);

– aumento de alíquota dos refrigerantes, dos atuais 20% para 25%.

Fonte: Noroeste Online


About Blog Missioneiro

2 comentários:

  1. Mas as reportagens dessa praga é so aumento de impostos. O traste inútil, sonha que vai ganhar novamente

    ResponderExcluir
  2. O leitão diminui as mordomias teu salário do legislativo judiciário aí vai dar o orçamento

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.