Previsão

Possível La Niña reduz chance de 2020 ser o ano mais quente da história


A Berkeley Earth estima que junho de 2020 tenha sido o junho mais quente já registrado desde que os registros começaram em 1850, superando o mais quente de 2019. A margem de diferença, entretanto, entre 2020 e 2019 é pequena em comparação com as incertezas estimadas. Como resultado, junho de 2020 e junho de 2019 podem ser considerados essencialmente empatados como o mais quente. 2020 também teve os abril e maio mais quentes já observados. 
A temperatura média global em junho de 2020 foi de 0,81°C ± 0,06°C acima da média de 1951 a 1980. Isso equivale a 1,16°C ± 0,08°C acima da média de 1850 a 1900, que é freqüentemente usada como referência para o período pré-industrial.
A anomalia global de temperatura média em junho de 2020 diminuiu acentuadamente em comparação com maio e segue evoluindo para anomalias menores de temperatura, embora os valores ainda permaneçam altos em comparação às décadas anteriores. Devido à maior variabilidade climática durante os meses de inverno do Hemisfério Norte, não é incomum que as anomalias de temperatura nos meses de verão do Hemisfério Norte sejam um pouco menores do que as de janeiro a março. Embora a anomalia de temperatura atual seja menos extrema do que em alguns outros meses recentes, continua sendo a mais alta já observada em junho.
Junho de 2020 continuou o padrão contínuo de aquecimento generalizado. Condições muito quentes estavam presentes em partes da Ásia, América do Sul, África e grande parte da Antártida. Em particular, junho continuou um padrão contínuo de aquecimento extremo perto da costa do Oceano Ártico, no Norte da Ásia.
Condições anormalmente frias estavam presentes na Índia, bem como em outras duas pequenas regiões da Ásia. A Berkeley Earth estima que 4,2% da superfície terrestre teve o junho mais quente já observado, 71% da superfície da Terra foi mais quente que sua média de longo prazo e apenas 0,01% teve sua média local mais fria. O desenvolvimento de uma área fria no Pacífico Leste é indicativo de uma transição para as condições de La Niña.
Nas regiões de terra (exclui oceanos), foi o junho mais quente já registrado, chegando a 1,17°C ± 0,11°C acima da média de 1951 a 1980. Esse valor excede um pouco o valor recorde anterior de junho de 2013, embora, dadas as incertezas de medição existentes, esses dois anos também possam ser considerados essencialmente empatados.
Junho de 2020 foi nominalmente o terceiro junho mais quente dos oceanos con 0,57°C ± 0,07°C acima da média de 1951 a 1980. Isso é semelhante a vários anos recentes, porém mais frio que o recorde estabelecido em junho de 2016.
Junho de 2020 teve como destaque uma transição para as condições de La Niña no Oceano Pacífico. “Esse fenômeno climático é caracterizado pelo surgimento de água oceânica relativamente fria no Pacífico Central Leste e deverá ter um impacto significativo nos padrões climáticos globais nos próximos meses. O Pacífico Central permanece em um estado de transição, mas um padrão de La Niña agora é considerado provável nos próximos meses”, segundo a universidade californiana.
A Berkeley estima que as condições de La Niña em desenvolvimento reduzam a temperatura média global no final de 2020 e no início de 2021. Tais condições diminuiriam a probabilidade de 2020 se tornar um ano quente recorde.
Após seis meses, a Terra em 2020 foi marcada por temperaturas acima da média em quase todos os lugares, com condições especialmente extremas em toda a Ásia. A média de janeiro a junho foi recorde para 8,6% da Terra e muito acima da média de 1951 a 1980 para 85% do planeta. Somente 1,4% da superfície da Terra era significativamente mais fria que a média de 1951 a 1980 durante o período de janeiro a junho. Além disso, as médias de janeiro a junho na Ásia, Europa e América do Sul estabeleceram recordes máximos.
Observando regiões em que as médias de temperatura de janeiro a junho foram as 5 mais quentes ou as 5 mais frias observadas, a Berkeley mostrou regiões extensas com aquecimento recorde ou quase recorde durante a primeira metade do ano e nenhuma região com frio quase recorde.
O calor extenso e extremo sobre a Ásia é o que chamou mais atenção. A anomalia de temperatura de janeiro a junho na Sibéria ficou mais de 6°C acima da média de longo prazo. Isso bate o registro anterior em mais de 2°C. É um período quente sem precedentes que já dura seis meses. “Estimou-se recentemente que esse período quente seria quase impossível sem o impacto do aquecimento global, e mesmo com o impacto das mudanças climáticas permanece um evento altamente improvável”, alerta a universidade.
Nos primeiros seis meses de 2020, abril, maio e junho estabeleceram um novo recorde, enquanto janeiro a março não foram inferiores ao quarto mais quente. No geral, a média de janeiro a junho está essencialmente empatada com 2016 como o primeiro semestre mais quente de um ano. Em 2016, as temperaturas globais subiram muito devido a um enorme evento El Niño. Em 2020 há um quase empate com 2016 apesar de não ter El Niño neste ano.
Conforme sugerido pelo gráfico acima, normalmente se espera que a segunda metade do ano tenha anomalias de temperatura um pouco mais baixas do que janeiro a abril, o que é importante no contexto da estimativa da faixa provável de anomalias finais de temperatura em 2020.
Com abril, maio e junho estabelecendo novos recordes de aquecimento mensal, o aquecimento projetado durante a segunda metade do ano permanece bastante alto. O surgimento de um padrão frio no Pacífico Central Leste e a probabilidade aumentada de um evento de La Niña no final deste ano sugere que as temperaturas no final de 2020 podem ser menores do que o esperado. Isso reduz a probabilidade de um ano recorde de aquecimento. 
A abordagem estatística da Berkeley Earth projeta que 2020 tem uma probabilidade de 45% de ultrapassar 2016 e se tornar o ano mais quente. “Este é um desvio acentuado da previsão anterior, que colocou as chances de um novo recorde em 89%. A ideia é que a diminuição da probabilidade esteja relacionada principalmente ao provável evento de La Niña, embora estejamos surpresos com a magnitude dessa mudança e pretendamos investigá-la mais a fundo”, diz a universidade em comunicado.
Independentemente de um novo recorde ser estabelecido, é altamente provável que 2020 seja um dos anos mais quentes desde 1850, alerta a Berkeley Earth.

About Blog Missioneiro

0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.