Notícia

Polícia Civil investiga esquema de falsificação de vacinas contra a gripe no RS

Polícia Civil aguarda perícia para saber conteúdo de 300 vacinas comercializadas em cidades do Norte gaúcho. Pelo menos um paciente recebeu a dose.

Polícia aguarda perícia para saber conteúdo de 300 vacinas comercializadas — Foto: Divulgação/Polícia Civil
A Polícia Civil realizou uma operação, na manhã desta terça-feira (5), contra um esquema de falsificação de vacinas contra a gripe no Rio Grande do Sul. Duas pessoas foram presas em Passo Fundo, no Norte do estado.

Segundo o delegado Max Otto Ritter, da Delegacia de Polícia de Combate à Corrupção (Decor), a denúncia partiu da Secretaria da Saúde de Coxilha, mas foram identificados lotes adulterados em Passo Fundo, David Canabarro e Água Santa.

A polícia não sabe o total de doses comercializadas na região. O conteúdo das vacinas, que foram aplicadas em pelo menos um morador de Coxilha, foi encaminhado para a perícia.

“O caso é grave. É um crime hediondo, porque não se sabe o que está ministrando”, afirma Ritter.

O delegado relata que a Prefeitura de Coxilha desconfiou dos produtos porque o distribuidor informou que as vacinas poderiam ser aplicadas mais de uma vez. No entanto, ao contatar o fabricante, a empresa negou essa possibilidade.

“Disse que não trabalham com multidoses, apenas monodoses. Ou seja, uma utilização apenas, e se descarta. O laboratório disse que o lote não estava de acordo, que era adulterado ou falso”, aponta Ritter.

A Prefeitura de Coxilha havia adquirido 300 doses da vacina tetravalente contra a influenza. Contudo, ao avançar na investigação, a polícia verificou que clínicas, farmácias e até pessoas físicas compraram de modo particular vacinas desse mesmo distribuidor.

"Já identificamos farmácias, por exemplo, no município de Água Santa e de Passo Fundo, e identificamos também um farmacêutico de David Canabarro", diz o delegado.

Além das duas prisões preventivas, a polícia cumpriu mandados de busca e apreensão em três endereços. Nos locais, conforme Ritter, foram encontrados remédios sem procedência, até mesmo de tarja preta, e documentação e conversas que comprovariam a ligação dos indivíduos com as pessoas que disponibilizaram as vacinas.

De acordo com o delegado, Coxilha foi vítima de um possível estelionato contra a administração pública.

"Conseguimos contextualizar a prática de adulteração, de falsificação de vacinas, justamente nessa época em que vivemos uma crise com uma pandemia, e particularmente o estado do Rio Grande do Sul precisa vacinar as pessoas dos mais variados municípios tendo em vista que o frio se aproxima", afirma o delegado.

Fonte: G1 RS

About Blog Missioneiro

0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.