Esporte

"Todos os gols mais bonitos da temporada foram dele", diz diretor do Passo Fundo Futsal sobre jogador morto em acidente

Ala Pablo Yago Radaeli, 22 anos, descrito como extrovertido e de grande talento, já somava 15 gols neste ano

Foto Matheus Moraes

Maior destaque do Passo Fundo Futsal nesta temporada, Pablo Yago Radaeli, 22 anos, morto no acidente de ônibus com a delegação do time na madrugada deste domingo (14), em Itaqui, era atualmente o artilheiro da equipe, com 15 gols. 

Apresentado pelo clube em fevereiro, o ala já tinha cativado a torcida com suas comemorações extrovertidas em quadra: ajoelhava-se, colocava o dedo na boca, fazia graça para o público.

Em uma cidade com torcedores apaixonados pelo esporte, os jogos do Passo Fundo Futsal atraíam até 1,2 mil espectadores ao Ginásio do Capingui, onde o corpo de Radaeli será velado, brevemente, entre o final da tarde e o início da noite deste domingo. A família concordou com a solicitação da direção do time, que pediu que a torcida pudesse se despedir de seu craque.

Após uma cerimônia que deverá durar entre 30 minutos e uma hora, o corpo será trasladado para Novo Hamburgo, cidade natal do atleta.

Como vencedor da série prata em 2018, o Passo Fundo Futsal conquistou a vaga para disputar a Liga Gaúcha neste ano. Radaeli, com passagens pelo Minas Tênis Clube, de Belo Horizonte, pela Associação Esportiva Uruguaianense, de Uruguaiana, e pela ASIF, de Ibirubá, foi então contratado como um dos reforços da equipe para o novo desafio. Escalado para a Seleção Gaúcha no Campeonato Brasileiro de Ligas, o jogador conquistou com o grupo o segundo lugar.

Era um menino de uma retidão fantástica, alegre, muito extrovertido, irreverente. Trazia para o grupo uma aura muito positiva. MATHEO CASAGRANDE-Diretor do Passo Fundo Futsal

Diretor do clube, Matheo Casagrande descreve o ala como um atleta de grande talento, rápido e com chute muito forte.

— Todos os gols mais bonitos da temporada foram dele — elogia Casagrande. — Era um menino de uma retidão fantástica, alegre, muito extrovertido, irreverente. Trazia para o grupo uma aura muito positiva — acrescenta. 

Radaeli costumava chegar para os treinos ouvindo música. Gostava de pagode, soul e rock.

— Era um cara que alegrava o vestiário — conta o diretor.

O atleta namorava a engenheira civil Luciana Schäfer, de Ibirubá. Nas folgas, ele costumava viajar para encontrá-la.

"É um momento de dor e tristeza que nunca gostaríamos de estar passando", diz um dos posts publicado pelo Passo Fundo Futsal em sua página do Facebook.

Fonte: Gaúcha ZH 

About Blog Missioneiro

0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.